CAMPO DE SÃO FRANCISCO * PONTA DELGADA - SÃO MIGUEL - AÇORES *

09
Dez 10

 

 

PÁGINA LITÚRGICA

Semana de 11/12/2010 a 17/12/2010

  

DOMINGO III DO ADVENTO

 

 

 

LEITURA I   Is 35, 1-6a.10

«Deus vem salvar-nos»

Leitura do Livro de Isaías

Alegrem-se o deserto e o descampado, rejubile e floresça a terra árida, cubra-se de flores como o narciso, exulte com brados de alegria. Ser-lhe-á dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e do Saron. Verão a glória do Senhor, o esplendor do nosso Deus. Fortalecei as mãos fatigadas e robustecei os joelhos vacilantes. Dizei aos corações perturbados: «Tende coragem, não temais: Aí está o vosso Deus, vem para fazer justiça e dar a recompensa. Ele próprio vem salvar-vos». Então se abrirão os olhos dos cegos e se desimpedirão os ouvidos dos surdos. Então o coxo saltará como um veado e a língua do mudo cantará de alegria. Voltarão os que o Senhor libertar, hão-de chegar a Sião com brados de alegria, com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto. Reinarão o prazer e o contentamento e acabarão a dor e os gemidos.

Palavra do Senhor.

 

LEITURA II   Tg 5, 7-10

«Fortalecei os vossos corações, porque a vinda do Senhor está próxima»

Leitura da Epístola de São Tiago

Irmãos: Esperai com paciência a vinda do Senhor. Vede como o agricultor espera pacientemente o precioso fruto da terra, aguardando a chuva temporã e a tardia. Sede pacientes, vós também, e fortalecei os vossos corações, porque a vinda do Senhor está próxima. Não vos queixeis uns dos outros, a fim de não serdes julgados. Eis que o Juiz está à porta. Irmãos, tomai como modelos de sofrimento e de paciência os profetas, que falaram em nome do Senhor.

Palavra do Senhor.

 

 

EVANGELHO   Mt 11, 2-11

«És tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro?»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Mateus

Naquele tempo, João Baptista ouviu falar, na prisão, das obras de Cristo e mandou-Lhe dizer pelos discípulos: «És Tu Aquele que há-de vir, ou devemos esperar outro?». Jesus respondeu-lhes: «Ide contar a João o que vedes e ouvis: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa Nova é anunciada aos pobres. E bem-aventurado aquele que não encontrar em Mim motivo de escândalo». Quando os mensageiros partiram, Jesus começou a falar de João às multidões: «Que fostes ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento? Então que fostes ver? Um homem vestido com roupas delicadas? Mas aqueles que usam roupas delicadas encontram-se nos palácios dos reis. Que fostes ver então? Um profeta? Sim – Eu vo-lo digo – e mais que profeta. É dele que está escrito: ‘Vou enviar à tua frente o meu mensageiro, para te preparar o caminho’. Em verdade vos digo: Entre os filhos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista. Mas o menor no reino dos Céus é maior do que ele».

Palavra da salvação.

 

SALMO RESPONSORIAL   145 (146), 7.8-9a.9bc-10 (R. cf. Is 35, 4)

Refrão: Vinde, Senhor, e salvai-nos. Repete-se

     Ou: Vinde salvar-nos, Senhor. Repete-se

 

NOTA EXPLICATIVA

 

LEITURA I

O texto desta leitura refere-se, em primeiro lugar, ao regresso do exílio do povo de Deus e descreve a atitude espiritual desses momentos numa explosão de alegria. As imagens que aparecem ao longo do texto são comparações; mas Jesus realizou algumas delas à letra e, a terceira leitura de hoje refere-as expressamente, mostrando assim que o verdadeiro regresso do exílio à pátria é Ele quem o realiza, em nosso favor, ao levar-nos consigo e em Si ao Pai.

 

LEITURA II

Dentro de toda a história da salvação, a vida de cada um de nós é uma gota de água no oceano ou um instante no meio de todo esse tempo. A hora da última vinda do Senhor, a pôr o ponto final nessa história e a consumá-la para todos os homens e para cada um deles, há-de ser aguardada na paciência e na fidelidade de cada momento, porque o Senhor virá.

 

EVANGELHO

O sonho de Isaías, descrito na primeira leitura, aparece nesta leitura realizado por Jesus. É Ele que, finalmente, vem anunciar a Boa Nova do seu mistério pascal, em que todos somos chamados a participar. Assim, o fim dos tempos e a sua última vinda já está, em certo modo, a realizar-se. Mas é preciso aguardar, na fidelidade e na vigilância, que ela se realize completamente.

 

NOTÍCIAS DA PARÓQUIA

 

RECEBIMENTOS PARA AS REPARAÇÕES E RESTAUROS DA NOSSA IGREJA PAROQUIAL

Até ao passado dia 6 do corrente, foram recebidos nesta igreja alguns donativos e comparticipações, que perfizeram o montante de 2.505,50 Euros.

 

A G E N D A

No dia 14 do corrente (terça-feira) pelas 17 horas, reunião do Pároco com o grupo Fraternidade da Imaculada Conceição da Ordem Franciscana.

 

oooOooo

 

No próximo dia 14 (terça-feira), a igreja celebra a memória de São João da Cruz

  

 

SÃO JOÃO DA CRUZ

 

Juan de Yepes, nasceu em Fontiveros (Espanha), a 24 de Junho de 1542 e morreu em Úbeda (Espanha) a 14 de Dezembro de 1591. Foi um frade carmelita espanhol, famoso pelas suas poesias místicas.

Filho de Gonzalo de Yepes e Catalina Alvarez. Gonzalo, pertencia a uma família de posses da cidade de Toledo. Por se ter casado com uma jovem de classe “inferior”, foi deserdado por seus pais e tornou-se tecelão de seda. Em 1548, a família muda-se para Arévalo e em 1551 transfere-se para Medina del Campo, onde o futuro reformador do Carmelo estuda numa escola destinada a crianças pobres. Pelas suas aptidões, torna-se empregado do director do Hospital de Medina del Campo. Entre 1559 a 1563 estuda Humanidades com os Jesuítas, ingressando na Ordem do Carmo aos vinte e um anos de idade, em 1563, recebendo o nome de Frei João de São Matias, em Medina del Campo. Pensa em tornar-se irmão leigo, mas seus superiores não o permitiram. Entre 1564 e 1568 faz sua profissão religiosa e estuda em Salamanca, concluindo com êxito seus estudos teológicos, em 1567, ordenando-se sacerdote e celebra sua Primeira Missa.

Em Setembro de 1567, encontra-se com Santa Teresa de Ávila, que lhe fala sobre o projecto de estender a Reforma da Ordem Carmelita também aos padres, surgindo posteriormente os carmelitas descalços pelo que aceitou o desafio, tomando o nome de João da Cruz. No dia 28 de Novembro de 1568, juntamente com Frei António de Jesus Heredia, inicia a Reforma, o que resultou ser preso em 1577 por oito meses no cárcere de Toledo.

Foi beatificado por Clemente X, no dia 25 de Janeiro de 1575, canonizado por Bento XIII, a 25 de Dezembro de 1726 e solenemente proclamado «Mestre eminente» por Pio XI, a 24 de Agosto de 1926?

 

publicado por Ruben Amorim em:- igrejasaojose às 13:51

pesquisar
 
PÁROCOS DA PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ DE PONTA DELGADA
  • 1.º - Bacharel Ascénio Gonçalves -
  • 2.º - Padre Francisco Fernandes – 1581 a
  • 3.º - Padre José da Costa Marrecos – 1635 a 1669 (34 anos)
  • 4.º - Padre Francisco da Cunha Prestes – 1670 a 1687 (17 anos)
  • 5.º - Padre Cristóvão Soares de Melo – 1692 a 1725 (33 anos)
  • 6.º - Padre Pedro Ferreira de Medeiros – 1726 a 1760 (34 anos)
  • 7.º - Padre João Francisco Tavares – 1764 a 1768 (4 anos)
  • 8.º - Padre Joaquim de França – 1790 a 1798 (8 anos)
  • 9.º - Padre Manuel José do Rego – 1800 a 1809 (9 anos)
  • 10.º - Padre Jacinto Tavares do Rego Oliveira – 1814 a 1831 (17 anos)
  • 11.º - Cónego José de Medeiros e Sousa – 1833 a 1868 (25 anos)
  • 12.º - Padre António Luciano Horta – 1868 a 1891 (23 anos)
  • 13.º - Padre Manuel Augusto Pereira – 27/9/1893 a 1932 (39 anos)
  • 14.º - Padre Adelino Francisco de Oliveira – 1932 a 1939 (7 anos)
  • 15.º - Padre Jacinto Monteiro (vacatura) – 1939
  • 16.º - Monsenhor António de Almeida Maia – 22/10/1939 a 1992 (53 anos)
  • 17.º - Padre Laudalino de Sousa Duarte Frazão – 1992 a 8/8/2000 (8 anos)
  • 18.º - Monsenhor e Cónego José Garcia – 8/8/2000 a 17/10/2010 (10 anos)
  • 19.º - Padre Dr. Duarte Manuel Espírito Santo Melo – 17/10/2010
  • COMPILAÇÃO
    Rúben Borges de Medeiros Amorim - Contacto:- ruben.amorim@sapo.pt
    pesquisar